domingo, 29 de abril de 2012

Sobre escrever...


Escrever, para mim, é muito mais que um prazer, é uma necessidade! Uma necessidade incontrolável de expressar o que eu sinto e o que eu penso, mas que, infelizmente, nem sempre é interpretado como eu gostaria, pois quem lê, sempre agrega os seus próprios conceitos e suas experiências ao que está lendo, o que, muitas vezes, pode distorcer a ideia inicial do autor... Mas entendo que isso é inevitável, por isso, aceito. E já me sinto feliz quando sou lida! E muito mais, quando recebo um comentário, um questionamento ou uma crítica, o que significa que o meu objetivo principal foi atingido, provocar uma reflexão.

Escrever, para mim, é um exercício de autoconhecimento, pois sempre me surpreendo com o conteúdo final do texto e me questiono de onde tirei tudo aquilo, pois ao começar, muitas vezes, tenho apenas o tema que pretendo desenvolver, mas ainda não tenho ideia de onde ele vai parar... Basta começar a escrever para o texto criar vida própria, o que é surpreendente!

Escrever, para mim, é a melhor expressão de liberdade! Nem sempre posso dizer tudo o que penso, mas sempre poderei escrever aquilo que gostaria de dizer... Muitas vezes, posso não ter a oportunidade de ser lida, mas só de escrever já me sinto aliviada, como se tivesse tirado de dentro de mim algo que, de alguma maneira, me incomodava... Como se aquelas palavras escritas no papel, ou mesmo na tela do computador, tivessem o poder de tirar um peso das minhas costas!

Escrever, para mim, é uma maneira de procurar no mundo da fantasia algo que me falta no mundo real, pois ao escrever tenho toda a liberdade de criar uma história como eu gostaria que ela fosse, porque não há limites no mundo das palavras! Posso dar asas a minha imaginação e viajar por mundos imaginários, como fez Lobato, o Reino Encantado... Posso também criar histórias que eu jamais viveria, mas que poderão me divertir ao inventá-las e agradar aos meus leitores.

Escrever, para mim, é uma forma de registrar meus pensamentos e de me manter viva na memória das pessoas, estando eu aqui ou não... As palavras têm poder! Quando ditas, podem não ser ouvidas, e se repetidas, podem não sair iguais... Mas quando escritas ficam registradas, podendo ser relidas diversas vezes até serem memorizadas e não perdidas ao vento.

Escrever, para mim, é registrar fatos importantes que merecem ser relembrados, seja por saudade de um momento bom que passou, ou como exemplo de outros que não devo repetir, ou simplesmente para registrar um pensamento, um acontecimento, uma fase, que um dia completarão a história da minha vida.

Escrever, para mim, pode ser uma prova de tudo o que vivi e que foi importante na minha vida se um dia vier a sofrer de uma amnésia ou de lapsos de memória... O que pode acontecer com qualquer um, de uma hora para outra.

Escrever, para mim, é trilhar por um caminho a procura daquilo que ainda não encontrei, é buscar dentro de mim esclarecimentos para minha vida... Por isso, como dizia Clarice Lispector, “enquanto eu tiver dúvidas e não houver respostas, continuarei a escrever"! 


38 comentários:

cimatti disse...

Escrever , pra mim, é poder me dividir; na esperança de, às vezes, encontrar alguém, como agara, tentando fazer o mesmo, e, assim, enriquecer minha vida com a experiência de outros, que também já experimentaram o mesmo.



Parabéns pelo texto bem escrito e pelo tema inusitado, e bem escolhido.

Lucimara Fernandes disse...

Oi Alexandre!!
Realmente é muito bom encontrar pessoas que compartilham os mesmos interesses e valores! Este é o grande mérito de fazer parte da Confraria do Coreto e o principal motivo de termos criado o Tangram das Ideias!
Obrigada por sua participação na Teia de Ideias e também pelo comentário!

Estante Velha disse...

Olá Lucimara,

Se eu soubesse a resposta a sua pergunta talvez eu não escrevesse mais, ou quem sabe, não fizesse nada além de escrever na vida. Realmente, não sei. Minha única certeza é que gosto de ler, de entrar em contanto com a vida entre as letras, aquela coisa, misto do que sou e do que o autor é; leio relação com o que há de humano no vão entre as letras e a voz de minha cabeça. Talvez eu escreva pela mesma razão pela qual leio; para estabelecer contato, mas, sinceramente, não sei.
Um grande abraço.

Lucimara Fernandes disse...

Oi Rafa!!
Quando eu pedi a vocês, que também escrevem, que comentassem este post, era justamente isso que eu queria confirmar... que escrevemos porque não temos todas as respostas, escrevemos porque estamos sempre buscando essas respostas... Afinal, como diz o slogan da TV Futura, "não são as respostas que movem o mundo, são as perguntas"! São os nossos questionamentos que nos fazem escrever, por este motivo escolhi a frase de Clarice para fechar o texto!
Obrigada pela participação!!
Um grande abraço!

Regina disse...

Oi querida!! Sabe eu não sei o motivo que leva certas pessoas a escrever,mas acredito que pra quem escreve,isso é vital.Passamos nos textos e poemas td aquilo que sentimos como uma forma de aliviar o cérebro de tantos pensamentos.Comigo é assim.
Concordo com vc qd diz que nem todo mundo entende o que queremos dizer,acho interessante os comentários sobre aquilo que escrevo.Cada um entende de acordo com "suas" próprias experiências e entendimento.Isso pra mim é muito enriquecedor, pq vejo meus escritos vistos por vários pontos de vista.Eu particularmente não uso técnicas para escrever digo definitivamente o que vem do fundo da minha alma e é isso que me faz sentir bem.Amo ler coisas que me intrigam e gosto de intrigar tbm...rsrs. E é isso lindona somos parecidas,amamos dizer as nossas dúvidas e certezas,nossas frustrações e ilusões através das palavras escritas,isso nos mantém INSANAMENTE LÚCIDAS...RSRS.Bjks

Lucimara Fernandes disse...

Oi Rê!!!
Adorei o INSANAMENTE LÚCIDAS!!! Acho que não poderia encontrar uma definição melhor... rs.
E realmente acho que esta nossa necessidade louca de expressar nossos pensamentos e sentimentos pode parecer um pouco estranha para alguns, porém, interessante para outros, que, muitas vezes, não sabem se expressar, mas que se identificam com os nossos textos!
É muito bom saber que não estou sozinha nesta insanidade toda... rs.
Muito obrigada querida!
Um grande beijo!

Anônimo disse...

Olá Lucimara,

Se tem um motivo principal que me faz escrever, certamente, é a reflexão e o diálogo que tento manter comigo mesmo a com um outro imaginário - estas sendo minha necessidade. Mas há um outro motivo: é o do criar. Gosto de música, e por isto tento sempre que possível inventar uma "música poética" em meus versos. Se outros motivos eu não saberei te explicar.
Mas creio que estes já são suficientes, né?

Um beijo e um abraço

Leandro Monteiro

Lucimara Fernandes disse...

Oi Leandrinho!
Claro que são suficientes!! rs
O que venho percebendo é que, para todos nós que escrevemos, a busca maior é de nossa própria reflexão e não apenas a necessidade de expressão das nossas ideias e o entendimento do outro... Pelo menos, no meu caso, mesmo que ninguém leia meus textos, continuarei a escrever...
Muito obrigada pela participação!
Bjs

Paola disse...

Ola Lú!

Boa pergunta essa, mas escrever para mim é uma manifestação de um "eu" quem nem eu mesmo consigo descrever. Grande parte das coisas que escrevo não são experiencias minhas, mas sinto a dor como se fossem. Escrever é meu momento.
Bjoo

Lucimara Fernandes disse...

Oi Paola!!
Interessante o seu comentário, pois ao contrário de você, a maioria das coisas que escrevo são baseadas em minhas próprias experiências ou em minhas dúvidas... Para mim é mais difícil criar, mas, em alguns casos, é necessário! Porém, já me disseram que a personagem que eu crio pode ser o meu alter ego... Mas não estou convencida disso... Apesar de concordar que sempre haverá um pouco de nós mesmo nas histórias fictícias.
Muito obrigada pelo comentário!!
Bjs e se cuide!! rs

Teresa Bendini disse...

Parabenizo você por ser fluente em seu texto, muito bem escrito. Acho que escrever é isso. Ter a capacidade de transmitir uma idéia permitindo que ela provoque e interfira, que ela por vezes revolucione, como foi com as grandes teorias de Freud, Karl Marx, Einstein, etc. Sinto muito pelo fato de nossas escolas não se preocuparem com a formação literária de seus jovens. Eles não conseguem escrever um mínimo texto, sequer sabem formar frases. Abraços, Teresa

Lucimara Fernandes disse...

Oi Tê!!
Obrigada pelo elogio, querida!
Concordo com você, transmitir uma ideia, provocar reflexão, interferir nos conceitos e contribuir para uma possível mudança na vida das pessoas acho que é o maior objetivo de todos os grandes pensadores!
Também sinto muito pela péssima qualidade de ensino que os nossos jovens têm recebido, o que os impedem de saber se expressar e de compreender bem o que estão lendo, tornando-se cada vez mais necessário a realização de movimentos culturais e incentivos à leitura!
Adorei o cometário!
Um grande beijo!

Reviragita Poesia disse...

Muito bom amiga.
Blog e conteúdo.
E o assunto em pauta...
sem palavras.
Quando puder dê uma passadinha
em meu blog também.
Abração cheio de paz e poesia.
Cecília Fidelli.

Reviragita Poesia disse...

www.ceciliafidelli.blogspot.com

Adriano disse...

Vejo vc no que - e sobre o que vc escreve. Amo o fato de que vc escreve porque assim eu aprendo mais de vc e te conheço melhor. Vc poderia ate dizer que escrever também encurta distancias... porque tem encurtado a nossa.

Beijão .

Ale Bertholli disse...

Lú ...mais uma vez vc arrasou no seu texto...parabéns... eu escrevo como forma de tornar material meus pensamentos e sentimentos...materializar... deixar palpável em tintas e papéis...assim eu posso compartilhar com as pessoas, posso tbém analisar-me,ver-me de dentro pra fora, como vc mesma disse, as vezes me surpreendo em ler coisas antigas que escrevi e ver como mudei,como as coisas em minha volta mudaram, como o tempo passou e me levou junto,deixando aquele momento num pedaço de papel... é por ai... bjs linda....

UBE Núcleo Vale do Paraíba disse...

Por que escrever?

Escrever para mim é como o vicio em cigarro: se não escrevo, fico ansiosa, agitada, com insônia, notívaga, não consigo organizar as idéias, verdadeira confusão mental, enquanto não coloco “aquela” idéia no papel, enquanto não escrevo... Pode parecer exagero, mas é como se entrasse em um verdadeiro estado de abstinência... “Aquela” idéia fica me perseguindo mentalmente, me torturando, até eu ter a ação de botá-la pra fora... Então a sensação seguinte é de puro êxtase, puro alívio, pura satisfação, aí eu consigo me concentrar em meus atos, aí eu consigo dormir...

Karina Aldrighis

Amiga, é incrivel como nós escritores estamos sempre na mesma sintonia, não? Eu escrevi este artigo a uns anos atrás, e como sempre, acho que pensamos da mesma maneira, cada uma a seu modo é claro! Adorei o artigo, parabéns! e continue escrevendo assim sempre, com autenticidade! bjs

pedro disse...

Lucimara, adorei seu texto. Acho que escrevo para expressar minhas idéias, para criticar, para debater, para deixar registrado meus pensamentos.
E mesmo que eu não seja lida,mesmo assim, também continuarei escrevendo.
Pois é uma necessidade do meu eu.
Parabéns pela postagem. Abraço!

Lucimara Fernandes disse...

Oi Cecília!!
É um prazer receber seu comentário e muito mais por saber que gostou do texto!
Já estive visitando o seu blog e gostei muito da poesia que fala do Outono! Adoro esta época do ano e mais ainda quando chega o inverno!
Obrigada pela participação e vamos manter contato!!
Um grande abraço!

Lucimara Fernandes disse...

Dri, meu querido!
Após 20 e poucos anos de amizade você ainda consegue me surpreender!! Fiquei emocionada ao saber que você ainda se interessa em me conhecer cada vez mais, pois achava que você já soubesse tudo sobre mim!
Você tem razão, o fato de escrever vem encurtando as nossas distâncias há muitos anos, desde que você deixou o Brasil, quando ainda nos correspondíamos por cartas e esperávamos 15 dias para receber respostas um do outro... De uns anos para cá a internet tem facilitado a nossa vida, mas com a sua participação no Tangram estamos nos aproximando ainda mais!!
Amei o seu comentário!! Assim como amo a nossa amizade!
Muito obrigada por tudo!!
Um grande beijo!!!

Lucimara Fernandes disse...

Bertholli, querido!
Adorei a sua definição "materializar"!! Acho que é isso mesmo! Quando escrevemos tornamos reais os nossos pensamentos e registramos um momento, uma fase, uma emoção, um acontecimento, eternizando aquilo, tornando inesquecível!
E o fato de relembrar tudo isso após algum tempo e observar as mudanças é muito bom!
Também adoro tudo o que você escreve e ADOREI o comentário!
Muito obrigada pela participação e por dividir comigo suas reflexões!
Um grande beijo!

Lucimara Fernandes disse...

Karina Aldrighis!!
Minha querida amiga e parceira! Realmente, a nossa afinidade é muito grande! Estamos sempre em sintonia, escrevendo as mesmas coisas, cada uma a sua maneira... rs. Eu não me lembro se cheguei a comentar no seu blog, no grupo da Confraria, ou com você diretamente, não sei... Mas eu já conhecia este seu texto e gostei muito quando li! E mais ainda agora com a comparação! Eu falo na minha necessidade de escrever, você no seu vício! Mas a sensação de abstinência é a mesma! E acho que é isso que nos motiva a escrever! E é esta sintonia que nos torna cada dia mais amigas!
Adoro você! E tudo o que você escreve também!! rs.
Muito obrigada pela participação e por estar sempre se dividindo comigo!
Um grande beijo!

Lucimara Fernandes disse...

"Pedro",
Esta necessidade de expressar as próprias ideias, debater, criticar e registrar os próprios pensamentos são as principais características de todos nós, escritores! Por isso, independentemente de sermos ou não lidos não é exigência para continuarmos escrevendo! rs.
Escrever este post e receber todos esses comentário me reafirmou tudo isso! Estamos todos juntos!
Muito obrigada pela participação!
Um abraço!

Silvio Prado disse...

Lucimara,
Você, creio, retratou a incerteza que toma conta da gente quando se escreve. Por isso mesmo, a gente acaba quase sempre surpreendido com o resultado. Escrever é mesmo uma viagem imprevista e interessante e que vai muito rapidamente humanizando e revelando quem escreve, além de revelar outras coisas e acabar também humanizando quem lê. Escrever é uma coisa sublime e tudo fica melhor quando quem escreve é uma pessoa sensível como você. Falei de coração!
Beijos

Lucimara Fernandes disse...

Oi Silvio!
Você sabe o quanto te admiro e aprecio os seus comentários! E escrever é mesmo surpreendente, pois além de nos proporcionar esta viagem por outros mundos, nos oferece também a oportunidade de nos aproximarmos de pessoas que jamais imaginamos, como a nossa amizade, que surgiu através da Confraria.
E quanto à sensibilidade que você citou, o mérito não é só meu, mas de todos nós que escrevemos!
Muito obrigada pelo carinho e pela participação!
Um grande beijo!

Karina Lapido disse...

Lu... Para explicar porque escrevo, farei minhas as palavras de Marcelo Sando, autor do livro "Notas e reflexões sobre a educação": eu escrevo para colocar em poucas linhas pensamentos que poderiam ser conversados em muitas horas. É uma forma de expressar (e perpetuar) meus pensamentos com clareza e de permitir aos que leem sua própria interpretação.
Beijo e parabén pelo post!

Marli disse...

Como vc é inteligente, querida amiga. Eu acho que nunca conseguiria escrever algo tão revelador e smart como vc o fez neste texto.
Pra mim escrever é um parto, sempre acho que não tenho boas idéias e se tenho, nunca sei se conseguirei passar o que realmente penso. Acho que escrevo de teimosa, pois não tenho talento. Parabéns pelo post.

Lucimara Fernandes disse...

Oi Kaká,
Não conheço este autor, mas acredito que o livro deve ser muito bom, pois a definição dele é bastante interessante! Porém, eu, apesar de gostar de ler e de escrever, não dispenso uma boa prosa... rs.
Quanto a usar a escrita para expressar e perpetuar os pensamentos, tenho observado, com estes comentários, que é um fator comum para todos nós que escrevemos!
Adorei seu comentário! Assim como adoro tudo o que você escreve!
Muito obrigada pela participação neste post e, em especial, neste blog!
Um grande beijo, minha amiga!

Lucimara Fernandes disse...

Oi Marlizinha!!!
Como assim, minha amiga, não tem talento?? Você é uma jornalista!! Relatar uma notícia sem colocar sua visão pessoal do fato não é simples. Eu já teria dificuldade... Porém, para mim, é mais fácil revelar os meus pensamentos e sentimentos. Não acho que escrever seja uma questão de inteligência... Mas de estilo, talvez...
E quanto a sua teimosia, esta sim, é a maior prova de inteligência! Pois com ela consegue superar suas dificuldades e vencer o desafio de escrever!
Querida, eu adoro o seu talento de repórter, que está sempre atenta às notícias internacionais que são interessantes para nós, aqui no Brasil! Continue nos contando tudo! Inclusive a imagem do nosso país pelo mundo...
Obrigada por fazer parte do nosso blog! Obrigada pela participação neste post, em especial! Obrigada por sua atenção, seu carinho e pela nossa amizade!! Adoro você!!
Como disse o Adriano, o fato de escrevermos encurta as distâncias que nos separam!! Nunca deixe de me escrever!!
Grande beijo!!

Guedes disse...

Escrever para mim é permitir que os outros vejam minha alma, sintam meus sentimentos, vivam minhas ideias e ideais. É ser criticado pela boa escrita... é ser criticado pelos rascunhos sem sentindo. Escrever para mim ultrapassa qquer barreira... não tem som, não tem luz, não tem nada que impeça que meus pensamentos deslize sobre as folhas e mostre quem eu sou!

Adorei isso Lu!!! Bjim!!!

Lucimara Fernandes disse...

Bruninho!!!
E eu adorei o seu comentário!!!
É isso mesmo, escrever é tudo de bom! É se mostrar por inteiro, é dar a cara a tapa, é assumir o risco de ser criticado, é registrar a nossa história, as nossas ideias, os nossos sonhos e ideais!
ADORO tudo o que você escreve!!! E mais ainda contar com a sua participação neste blog! Escreva mais, cada vez mais!!!
Adoro você!
Bjs e muita inspiração aí pela Europa!!! rs

André Bianc disse...

Luluzinha,
Escrever talvez seja uma catarse, um deleite conflituoso em nossos divãs imaginários. Mais uma vez gostei muito do que li, para nós que somos reles escritores e quase sempre nunca lidos, é um consolo. Parabéns!
“Escrever é enganar a si mesmo.” André Bianc

Lucimara Fernandes disse...

Andrézito,
Realmente, escrever é uma loucura. Mas ficaremos ainda mais loucos se pararmos de escrever... rs.
Agora, quanto a enganar a si mesmo, acho que é um engano... Pois, ao contrário de você, eu me descubro através dos meus textos!
Bjs e obrigada pela participação!

Wildman Cestari disse...

Querida Lucimara,
Escrever, para mim, é uma forma de fazer-se uma leitura do mundo. Lê-lo é mais que apenas olhá-lo, e, sim, senti-lo, presenti-lo, escultá-lo, para transformar toda as possibilidades desta comunicabilidade em escrita cuja narrativa se compõe em um enredo, às vezes, aceitável, poucas vezes ajustável, e na maioria das vezes, nem mais justo nem menos justo, apenas depurável. Escrever perpassa pela leitura não há dúvida, mas numa leitura inexoravelmente, de uma busca incomensurável de se desejar o ordenamento íntimo do ser frente ao caos do mundo que tanto nos causa comoção, medo de uma vida que se quer desajustável o tempo todo, sempre nos escapando do controle. É isso, acho. abraços, Lu.
Wildman..

Lucimara Fernandes disse...

Oi Wildman!
Realmente, a vida, muitas vezes, nos escapa do controle, por mais que lutemos cotra isso... Há sempre algo maior que nós, acontecendo simultaneamente, que nos impede de manter o controle de tudo e até mesmo de compreender o que se passa a nossa volta... E escrever é uma forma de organizar os nossos pensamentos e nossas dúvidas, mantendo, pelo menos, um certo controle do nosso próprio mundo!
Adorei o seu comentário!
E fiquei muito feliz com a sua participação!
Obrigada!
Grande beijo!

yaiune disse...

Oi, Lucimara!!!

Escrever, para mim, é como respirar! É o que me mantém viva! É mais do que um hábito ou mesmo, um comportamento obsessivo. Certa vez eu li numa entrevista da Marina Colassanti em que ela dizia que escrevia para se sentir um peixe dentro d'água e eu me vi nessa explicação. Talvez eu escreva, não por não ter respostas, mas saber que eu posso sentir que a minha existência pode ser vivida nem que seja em folhas de papel, em registros no computador... Escrever foi a forma que eu encontrei de não enlouquecer!!! É catártico e libertário! É um estado de plenitude! É a maneira que eu descobri de me olhar por dentro, o espelho de minh'alma...
Pra mim,escrever se resume na máxima: "ESCREVO, LOGO, EXISTO!"

Lucimara Fernandes disse...

Olá Yaiune!
Adorei o seu comentário e te entendo muito bem! É como a minha amiga Regina definiu, o fato de escrevermos nos torna INSANAMENTE LÚCIDAS! rs. E se me permite, gostaria de adotar a frase "Escrevo,logo, existo"!!! Perfeita!
Muito obrigada pela participação e continue seguindo o nosso blog, ok? Ah, e me passe o link do seu também, tá? Aqui temos uma página dedicada aos autores que querem publicar os seus textos no Tangram das Ideias! Adoraria contar com os seus!!
Um abraço!

yaiune disse...

Oi, Lucimara!
Pode usar a frase sim, acho que ela representa um mantra para quem escreve...rs
Concordo com a Regina, talvez por isso que eu continue escrevendo, para que eu me torne INSANAMENTE LÚCIDA!!!rs...

Bjim