sábado, 22 de outubro de 2011

Inversão de Valores

Todos os dias, ao assistir ao noticiário na TV, ler o jornal impresso ou acompanhar as notícias nos portais da internet, é sempre a mesma coisa: tragédias, assassinatos, assaltos, corrupções, enfim, sempre notícias ruins... Afinal, são elas que “vendem” os jornais...

É incrível como o ser humano se interessa pela desgraça alheia... Falar mal da vida do outro, sem olhar para a sua... Parar o trânsito para ver um acidente, não para prestar socorro, mas para ver de perto o estado da vítima, como se aquilo fosse um divertimento... Ir a velórios para saber detalhes do falecimento, conferir o estado do corpo no caixão, ouvir as fofocas, não para compartilhar a dor da família, dar um apoio ou se despedir do falecido, mas simplesmente para fazer o social e ficar por dentro dos acontecimentos... Na verdade, o povo quer ter assunto!

E pior, não bastando os que se divertem com os problemas dos outros, ainda há o infeliz que se sente orgulhoso de contar a própria desgraça, supervalorizando os seus problemas para parecer melhor que o outro, mesmo que seja à custa do próprio sofrimento, como muitas vezes escutamos alguém contar que a sua doença é mais grave que a do fulano, que a sua dor é maior, que a sua situação é pior... Parece uma disputa! Quem sofre mais? Quem já foi operado mais vezes? Por quantos médicos passou? Quantos tratamentos já fez? E por aí vai... Quantas vezes já foi assaltado, sequestrado, injustiçado... Enfim, quanto mais sofrimentos a contar, mais vantagens a levar... E assim, a coleção de desgraças passa a ser valorizada! E o estoque de assunto para longas fofocas vai sendo garantido...

E neste ponto eu pergunto: O que está acontecendo com a humanidade? Que inversão de valores é esta? Quando isso começou a acontecer sem que percebêssemos? Até onde vai isso? Porque até onde chegou nós já sabemos... São políticos contando vantagens, por se beneficiarem do dinheiro público, em plena internet, como se isso fosse bonito... Criminosos enchendo o peito para contar à imprensa quantos já mataram, sequestraram, estupraram, roubaram, como se fossem heróis... Trabalhadores contando vantagem por ter recebido hora-extra a mais do que deveria, enganando às empresas com atestados médicos falsos ou ao INSS para continuarem afastados, pessoas felizes ao constatarem que a conta do bar foi fechada errada e que, por isso, pagou muito menos que consumiu ou que recebeu troco maior que o certo... Estudantes que se divertem ao enganar aos professores e às universidades comprando projetos de conclusão de curso, ao invés de estudar, pesquisar e fazer o próprio trabalho para conquistar o diploma universitário... Por que, ao encontrar uma pessoa honesta, que acha uma grande quantia de dinheiro na rua e, ao invés de ficar para ela e resolver sua vida, decide procurar o dono para devolver, essa pessoa vira destaque no Jornal Nacional? Só porque agiu corretamente ela vira notícia? Não deveria ser ao contrário? Não, porque, nos dias atuais, ser honesto virou a exceção da regra! O normal, infelizmente, é ser desonesto.

Após todas essas constatações, continuar acreditando no ser humano seria uma utopia? Ou ainda há esperança para a nossa humanidade? Sinceramente? Eu acredito que sim, que ainda haja luz no fim do túnel... Esta luz é a EDUCAÇÃO! E, neste caso, não adianta apenas acusar ao Governo, aqui vale o antigo ditado “educação vem de berço”, pois é de pequeno que se aprende a falar certo, a devolver o brinquedo do amiguinho, a ser comportado, a respeitar os mais velhos, a sempre contar a verdade, a obedecer às ordens dos pais, enfim, a ser HONESTO, valor que vem sendo esquecido nos últimos tempos... Mas que pode ser relembrado através de bons exemplos, de atividades culturais, das artes em geral e de uma verdadeira “reinversão” de valores...

Não podemos mudar o outro, e muito menos o mundo todo sozinhos, mas podemos mudar a nós mesmos, dando bons exemplos para aqueles que nos veem como modelos, não esquecendo que as crianças de hoje serão os pais, professores, políticos e governantes que formarão a nova sociedade do futuro! Apenas se nada for feito, para reverter esta situação, será uma utopia acreditar num mundo melhor...



14 comentários:

Karina Aldrighis disse...

Oi Lu, realmente hoje em dia a inversão de papéis está muito grande, mas eu aqui no meu "mundinho" tento fazer a minha parte para colaborar em alguma coisa. Quem sabe assim, as coisas aos poucos vão melhorando, não podemos perder as esperanças...bjs

Lucimara Fernandes disse...

Oi Ká, é isso mesmo que todos nós devemos fazer... Pois se cada um fizer a sua parte, aos poucos, o mundo vai voltando ao eixo... O que não podemos é desistir!!
Eu acredito que escrevendo as nossas reflexões e provocando o outro a pensar no assunto, já estamos contribuindo de alguma forma.
Obrigada!
bjs

Deyves Martins disse...

Concordo com a questão da educação ser a chave para a transformação. A edução de berço me remete a algo elitista, mas vindo de ti, compreendo o contexto.

Já em se tratando de cobrar do governo, penso também que é inviável cobrar dos pais que, em muitos casos, estão despreparados para tal, afinal pode ser que também tenham tido uma educação falha também.

Posso estar enganado e frequentemente estou, entretanto penso que essa coisa de só apontar (e não me refiro a ti) os erros alheios, dizendo que é a culpa é do governo, dos pais, dos professores ou seja lá quem desejarem apontar como responsáveis por essa situação que vivenciamos, o grande lance talvez seja tirar a bunda confortável da cadeira ou do sofá novo, adquirido apenas por bel prazer de status, e fazer algo, contribuir na transformação, sem esperar de qualquer um que venhamos a apontar como responsáveis.

"Atente para a sua soleira ao invés de apontar a do vizinho". Atitude talvez seja a postura que deveríamos assumir para contribuir na transformação da realidade que vivemos.

Parabéns pelo texto, pela atitude de escrevê-lo e por contribuir na fomentação daquilo que é bom para a sociedade!

meyre lapido disse...

Realmente Lu,os assuntos referente às desgraças, tragédias, doenças ficam em evidência porque são assuntos envolventes. Se vc pedir pra alguem lhe contar uma coisa boa que aconteceu com ela durante a semana, ela vai demorar um tempinho pra lembrar mas, se perguntar de coisas chatas, num segundo ela lembra de várias. Isso acontece porque o ser humano aprendeu que a tristeza gera mais tempo de atenção sobre si e coisas alegres geram no máximo "que bom né?". Então,na minha opinião, nunca mudaremos ninguém, devemos sim mudarmos a nossa postura em relaçao a elas, e de que forma?- Desviando o assunto qdo nos vierem falar de tragédias, doenças, enfim...e instigar mais sobre as coisas legais que acontecerem com ela e dedicarmos mais tempo ouvindo. SE todo mundo começar agir assim, as coisas boas tbém vão dar IBOPE!

Lucimara Fernandes disse...

Oi Deyves,
Quando falei que a educação vem de berço, quis dizer que a educação deve começar em casa, com a família, pelos próprios pais... E não achar que apenas a escola é responsável pela formação da criança. Os valores e os bons exemplos devem ser passados pela família, que é a principal referência da criança. Acredito que a base familiar é a principal estrutura que a criança precisa ter para se tornar um adulto de bem, honesto e com valores sólidos para a construção de uma sociedade melhor.
Concordo, plenamente, que ter atitude é a única maneira das coisas acontecerem!
Obrigada pelo comentário e continue participando do blog!
E parabéns pelo trabalho que vem exercendo, pois valorizar a cultura e levá-la à comunidade é um dos principais caminhos para chegarmos a esta nova sociedade!
Um abraço!

Lucimara Fernandes disse...

Oi Meiróca,
Exatamente, concordo com você! Eu, há muito tempo tenho evitado esse tipo de conversa e também pessoas negativas e que só reclamam da vida, sem nada fazer para mudar...
Faço o mesmo com programas de TV, que hoje em dia assisto muito pouco... Prefiro ler um livro, escrever nos meus blogs, frequentar saraus e movimentos culturais, que pelo menos me trazem algo de novo!
Se podemos escolher, que saibamos fazer as melhores escolhas... rs.
Eu ainda sonho com um noticiário na TV que só apresente boas notícias, como: nascimentos, festas, comemorações, inaugurações, aberturas de vagas, projetos e eventos culturais, premiações, enfim, informações que nos deixem mais felizes... rs. Utopia? Talvez... Mas, ainda não custa nada sonhar... rs.
Beijos e obrigada pela participação!

Josy Rodrigues disse...

É verdade a sociedade atual é um problema sério. E realmente falta educação, não só escolar mas aquela que vem de casa e infelizmente muitos pais não têm tempo para educar seus filhos. Ou quando têm tempo não o fazem. Como diz uma tia minha:as pessoas mudaram de mais.
olharvida.blogspot.com

Lucimara Fernandes disse...

Oi Josi,
Verdade... As pessoas mudaram demais... e para pior... rs. Mas graças a Deus, toda regra tem exceção e ainda acredito que, com educação, é possível reverter a situação! Basta que cada um corra atrás dos seus sonhos e não fique esperando que tudo caia do céu, como você fez!
Eu visitei o seu blog e conheci a sua história, que gostei muito! Parabéns por suas conquistas! Tenho certeza que realizará muitas coisas ainda em sua vida! Felicidades!
Obrigada por me seguir e participar do blog! Seja bem-vinda!
Um abraço!

JORGE ANDRÉ FISCHER disse...

Salve, Lucimara.

À evidência do que você escreveu, vale dizer de sua pertinência. Mas a questão não se resume ao fato de termos que fazer algo, de termos que fazer a nossa parte, se me permite a arrogância desta colocação. Isto sem dúvida é de suma importância, uma vez que vivemos numa sociedade e compartilhamos interesses, necessidades, pretensões, mas todos, sem exceção, temos um propósito único: A FELICIDADE. Na minha opinião, o problema na inversão de valores está na eleição de meios ilegítimos na busca dessa felicidade. Foi o que você afirmou no seu texto.

Pasme, por exemplo, que atribuimos um valor injustificável a um automóvel, a um celular, a um anel, a um objeto qualquer. Atribuimos valores em demasia a coisas. Deixamos de lado as pessoas. Valoramos objetos, como se fossem serem animados, como se tivessem almas, como se sentisse o calor de nosso apego, de nosso cuidado, de nosso empenho em adquirir, em comprar, em proteger, em ostentar. Esquecemos que as pessoas são capazes de sentir tudo isto. E por esquecer, invertemos um valor muito relevante para toda essa discussão, qual seja, valoramos o indivíduo como coisa. Como um algo sem capacidade de sentir, como um objeto que não vê, que não sente, que não chora. Daí essa característica literalmente espetacular que você disse muito bem (velórios, acidentes, escândalos, etc.). O homem deixou de ser o outro e passou a ser uma coisa, um órgão reificado.

Por isto não saímos do lugar, por isto ainda discutimos que o caminho é a educação (será?). Qual educação?

Talvez REeducação. Reeducar para vermos que nossa felicidade está no OUTRO como outro, como gente, como SER HUMANO. É isto.
Saudações.
Jorge André Fischer

Ricardo Altava disse...

Lucimara...

Este é simplesmente o MELHOR post que li nos últimos anos! Não somente pela excelente qualidade com que foi escrito, mas também pelo conteúdo de suma importância.

A "Inversão de Valores" é algo que fugiu do controle. E todos assumem papéis hipócritas dentro da nossa "Falsa Sociedade".

Confesso que me senti orgulhoso ao ler este post, pois, prezo a honestidade de minha família acima de tudo, e tento de toda forma, compactuar dos bons conceitos da educação, passando para o meu filho a imagem de um mundo no qual, ele não tem que se dar por satisfeito em ser a exceção, e sim, tentar propagar isso adiante, para construir um mundo melhor para ele e para nós. Este post deve ser compartilhado o máximo possível! Farei a minha parte!

Josy Rodrigues disse...

Oi Lucimara, muito obrigada por visitar meu blog e pelas palavras acima.Muitas benesses em sua vida! Bjuss

Lucimara Fernandes disse...

Oi Jorge!
Adorei a sua colocação em relação aos nossos valores em busca da felicidade... Realmente, neste sentido, a inversão de valores é ainda pior... Quando acreditamos que apenas o dinheiro e a conquista de bens materiais podem nos trazer a felicidade... Isto é um grande engano que, infelizmente, a grande maioria ainda acredita.
Ao publicar este post, eu sabia que ele estava incompleto, pois este assunto é muito extenso, porque atualmente, são muitos os valores que estão invertidos... O seu comentário só me afirmou que este tema merece ter continuidade... Porém, continuo acreditando que a boa educação é a base de tudo!
Muito obrigada e continue participando do blog!
Um abraço!

Lucimara Fernandes disse...

Oi Ricardo,
Muito obrigada! Escolhi este tema porque, realmente, a cada dia que passa, este problema me incomoda cada vez mais... E é muito bom saber que não estou sozinha nessa... Fiquei muito satisfeita com todos os comentários deste post, com as diversas colocações e ao constatar que juntos podemos contribuir para um futuro melhor.
Parabéns a você e sua esposa que estão fazendo o possível para que seu filho tenha uma visão mais justa e honesta da vida... Certamente, ele será um adulto mais instruído, sensato e com valores mais sólidos! Se cada um fizer a sua parte, aos poucos, poderemos "reinverter" os valores para a construção de uma sociedade melhor...
Obrigada pela participação em nosso blog! Espero continuar contando com sua presença daqui pra frente!
Um grande abraço e obrigada pelo apoio e pela divulgação do Tangram das Ideias!

Lucimara Fernandes disse...

Josy,
Eu que agradeço a sua participação! Estamos juntas daqui pra frente! Valeu!
Um abraço!